Diagnóstico e Tratamento 

DISTÚRBIO DO PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL

A DPAC (Distúrbio do Processamento Auditivo Central) é a dificuldade que a criança encontra em lidar com as informações que chegam por meio da audição. Ou seja, é um transtorno funcional da audição. “A criança não é surda, neste caso, a criança pode ter audição normal, porém pode apresentar dificuldades na compreensão e interpretação do que lhe é falado.

O distúrbio do processamento auditivo (DPAC) é devidamente conhecido pela medicina desde 1996 e afeta a capacidade da criança de compreender a fala e os processos de aprendizagem, tais como a alfabetização, a escrita, a interpretação de textos e compreensão dos enunciados dos problemas.

O que acontece é que esses impulsos elétricos que são codificados para que haja compreensão sonora do indivíduo, não acontece de forma normal num indivíduo com DPAC, pois, o processo de recebimento da informação sonora e a codificação do som não acontecem da forma correta.

As crianças podem apresentar:

  • Mostra-se excessivamente desatenta;

  • Apresenta reações exacerbadas para sons intensos;

  • Tem dificuldade na localização sonora;

  • Tem dificuldade em acompanhar uma conversa quando muita gente fala ao mesmo tempo;  

  • Confunde a ordem dos fatos ou não compreendem uma história ou anedota com duplo sentido;

  • Não atende prontamente quando é chamado ou necessita que o chamemos muitas vezes para que responda;

  • Apresenta dificuldades na escola, principalmente nas disciplinas de Matemática e de Português;

  • Demora muito para conseguir aprender a ler e a escrever;

  • Troca muito às letras na escrita; 

  •  Não consegue entender corretamente os textos que leem;

  • É muito agitado ou, pelo contrário, quieto demais; 

  • Tem histórico de infecções repetitivas nos ouvidos (otites) principalmente nos primeiros nos de vida.

As causas do DPAC podem ser variadas e muitas vezes desconhecidas, contudo as mais comuns são de origem genética, otites de repetição, lesões cerebrais por anóxia ou traumatismo craniano, presença de outros distúrbios neurológicos, atraso maturacional das vias auditivas do Sistema Nervoso Central ou por envelhecimento natural do cérebro. Por isso, a maior parte dos diagnósticos é feita em crianças e idosos

É importante ressaltar, que o diagnostico e tratamento no DPAC deve ser realizado por meio de uma equipe multidisciplinar onde o sujeito será avaliado e conduzido a um diagnostico ou a uma conduta médica e planejamento terapêutico. Essa equipe é composta em geral por neurologistas, psiquiatras, otorrinolaringologistas, audiologistas, fonoterapeutas, psicólogos, pedagogos e profissionais de educação.